Início » Como Calcular Tamanho Do Feto

Como Calcular Tamanho Do Feto

27 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 36,6 cm
Peso: 875gr

Tamanho e Peso do Feto Durante a Gravidez

Saiba o tamanho e o peso do seu bebê ainda dentro da barriga de acordo com sua semana gestacional. 3 min

Saiba o tamanho e peso do feto na gravidez e fique tranquila. Quando estamos grávidas, queremos nos informar a respeito de tudo, saber o tamanho e peso do feto durante a gravidez é uma destas curiosidades. Depois do nascimento, você provavelmente irá acompanhar a tabela de crescimento do seu bebê , ou seja, a partir de agora, será sempre assim: uma busca incessante por informações a respeito do desenvolvimento infantil.

Lembre-se que a tabela de tamanho e peso do feto é apenas uma referência. Cada criança se desenvolve em um ritmo e de acordo com sua genética. O acompanhamento médico é essencial para saber se o seu bebê esta bem. O tamanho do bebê pode ser influenciado por doenças maternas, tempo de gravidez e até pela idade. Portanto, nem sempre a tabela será um referencial para determinadas mães.

Como aumentar o peso do feto durante a gravidez? Caso o médico perceba que o tamanho do bebê esta baixo da média, ele pode definir um tipo de dieta materna para ajudar no ganho de peso do feto dentro da barriga da mãe aliados a outras recomendações como o uso de vitaminas e suplementos maternos para ajudar no processo. No entanto, é preciso ter cautela e tomar somente o que o médico prescreve, nunca se automedicar durante a gestação.

Como saber se o peso do feto esta normal e dentro dos padrões? Somente um médico pode determinar se o peso do seu bebê esta de acordo com os padrões normais através dos exames de acompanhamento gestação como ultrassonografia, entre outros dados. Fique tranquila, porque ao menor sinal de problema, o médico será o primeiro a te avisar e a tomar as medidas de segurança para cuidar da situação.

O que influência o peso do feto? A boa saúde materna influencia no peso e tamanho do feto. Se alimentar de forma saudável e cuidar da saúde durante a gravidez é essencial para o bom desenvolvimento do bebê. O acompanhamento de pré-natal é importante para saber como o bebê esta se desenvolvendo.

Ei psiu! Clique no nome de cada semana para ler mais sobre o desenvolvimento do bebê e seus sintomas de cada fase, isto vai te ajudar e ficar bem informada sobre o desenvolvimento do bebê e claro, se sentir muito mais tranquila sobre como seu bebê está crescendo.

Feto de 1 mês

04 semanas de gravidez: Nesta fase o bebê é menor do que uma semente de papoula e determinar seu tamanho exato e peso é difícil, a não ser pela comparação. Saiba mais no artigo >> 4 Semanas de Gravidez: quão grande é seu bebê nesta fase?

Feto de 2 meses

08 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 1,6 cm
Peso: 1gr

09 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 2,3 cm
Peso: 2gr

10 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 3,1 cm
Peso: 4gr

11 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 4,1 cm
Peso: 7gr

12 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 5,4 cm
Peso: 14gr

13 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 7,4 cm
Peso: 23gr

14 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 8,7 cm
Peso: 43gr

15 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 10,1 cm
Peso: 70gr

16 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 11,6 cm
Peso: 100gr

17 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 13 cm
Peso: 140gr

18 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 14,2 cm
Peso: 190gr

19 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 15,3 cm
Peso: 240gr

20 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 16,4 cm
Peso: 300gr

21 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 26,7 cm
Peso: 360gr

22 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 27,8 cm
Peso: 430gr

23 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 28,9 cm
Peso: 500gr

24 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 30 cm
Peso: 600gr

25 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 34,6 cm
Peso: 660gr

26 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 35,6 cm
Peso: 760gr

27 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 36,6 cm
Peso: 875gr

28 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 37,6 cm
Peso: 1005gr

29 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 38,6 cm
Peso: 1153gr

30 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 39,9 cm
Peso: 1319gr

31 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 41,1 cm
Peso: 1502gr

32 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 42,4 cm
Peso: 1702gr

33 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 43,7 cm
Peso: 1918gr

34 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 45 cm
Peso: 2146gr

35 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 46,2 cm
Peso: 2383gr

36 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 47,4 cm
Peso: 2622gr

37 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 48,6 cm
Peso: 2859gr

38 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 49,8 cm
Peso: 3083gr

39 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 50,7 cm
Peso: 3288gr

40 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 51,2 cm
Peso: 3462gr

41 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 51,7 cm
Peso: 3597gr

42 semanas de gravidez
Tamanho do feto: 51,5 cm
Peso: 3685gr

Como calcular o tamanho do feto

Para calcular o peso do feto você multiplica o tamanho do fêmur do bebê por 7. Esta informação conta nos ultrassom da gestação que você já tenha feito.

Exemplo
Se o seu bebê tem um fêmur de 1,5cm a conta é feita desta forma: 1,5cm x 7 = 10,5cm. Isto significa que o feto mede aproximadamente 10,5 cm.

Lembre-se: tabelas e medidas são referenciais e não devem ser levadas a risca, pois, há uma série de fatores que podem influencia-los. Além disso, você passará a ouvir algo que mães ouvem o tempo inteiro e é verdade: cada bebê é único e se desenvolve de forma particular.

Se prepare para amamentar:

Leia também:

  • Nomes diferentes de bebês: 70 ideias para meninos e meninas
  • Rotina do bebê: o que fazer para um dia-a-dia tranquilo
  • Vai nascer: como se organizar para a chegada do bebê
  • Como Calcular a Data de Nascimento do Bebê (DPP)
  • Feto: O Que ele Sente na Barriga Quando Você Chora

Como Calcular Tamanho Do Feto

Como Calcular Tamanho Do Feto

A fórmula para o cálculo do comprimento do bebê é: Comprimento Fetal = 6,18 + 0,59 x Comprimento do Fêmur em Milímetros. Durante a gestação o bebê fica ‘encolhido’ e portanto não é possível medir o seu comprimento no ultrassom.

Como saber o tamanho do feto através do fêmur?

Tamanho da barriga e do bebê durante a gestação Muitas dúvidas ocupam a mente da gestante quando se fala em tamanho da barriga e tamanho do bebê. A comparação entre o tamanho da barriga e o tamanho e peso do bebê entre as grávidas é corriqueiro e gera ansiedade quando se perde a competição.

  1. Mas saiba que um barrigão nem sempre e sinal de saúde.
  2. Como calcular o tamanho do bebê ainda na barriga? Nos primeiros 3 meses da gestação, até mais ou menos 12 semanas medimos o bebê do bumbum até a cabeça (comprimento cabeça nádega).
  3. Mas depois dessa fase é difícil medir o bebê no ultrassom pois ele fica todo dobrado dentro do útero.

Uma maneira simples de calcular o tamanho do bebê é multiplicar o tamanho do fêmur por 7. Outro método mais preciso, porém mais complexo seria multiplicar o comprimento do fêmur em milímetros por 0,59 e depois somar 6,18 para descobrir o comprimento fetal em centímetros.

Quanto a barriga cresce durante a gestação? Durante a gravidez, muitas mulheres têm dúvidas sobre como seu corpo muda. Você pode não apenas imaginar quão grande é seu bebê, mas também quão grande é o seu útero. Antes da gravidez, o útero é do tamanho de uma laranja e está situado no fundo da pélvis. Com cerca de 12 semanas de gravidez, o útero é do tamanho de uma toranja e começa a crescer e sair da sua pélvis, mas ainda se encaixa dentro dela.

Durante o segundo trimestre seu útero crescerá até o tamanho de um mamão. Não cabe mais dentro da pélvis. Estará situado a meio caminho entre o umbigo e os seios. Durante o terceiro trimestre, o útero terminará de crescer e será do tamanho de uma melancia.

  1. Quanto deve medir minha barriga durante a gravidez? Com início entre as 18 e as 20 semanas, o seu médico irá medir a distância do seu osso púbico até ao topo do seu útero, em centímetros.
  2. O topo do seu útero é chamado de fundo, então a medida é chamada altura do fundo.
  3. Esse número geralmente corresponde ao número de semanas de gravidez que você é, mais ou menos dois centímetros.

Por exemplo, se você medir 32 centímetros, você deve ter 32 semanas de gravidez. Se esta não for a sua primeira gravidez, é normal que esta medida seja um pouco maior. Se o seu útero é do tamanho que deveria ser durante as consultas de pré-natal, este é um sinal de que tudo está progredindo bem com a sua gravidez.

Se estiver medindo muito grande ou muito pequeno, isso pode significar erro na contagem da idade gestacional ou algum tipo de complicação na gravidez. A Ultrassonografia auxilia muito nesses casos avaliando tamanho do bebê e o volume de líquido amniótico que podem alterar o tamanho dessa barriga. Porque minha barriga está tão grande? A barriga pode ser considerada grande quando a altura do fundo a medir mais de 2 centímetros em relação ao esperado para o estágio da gravidez.

Vários fatores podem levar a barriga ficar grande. Ter músculos abdominais mais soltos de uma gravidez anterior, estar acima do peso antes da gravidez, ter miomas uterinos, carregar múltiplos, ter grandes quantidades de líquido amniótico ou ter um bebê posicionado alto pode levar a uma medição maior.

  • Se o tamanho da sua barriga for grande para a sua idade gestacional o seu médico poderá fazer testes para investigar o diabetes gestacional.
  • Tornar-se diabético durante a gravidez pode levar a uma barriga maior porque pode tornar seu bebê maior do que o normal e levar ao excesso de líquido amniótico.

Uma ultrassonografia também é sempre útil para auxiliar no diagnóstico. Por que minha barriga é tão pequena? Nem sempre uma barriga pequena indica um bebê pequeno. Existem variações de biotipo materno que podem justificar uma barriguinha charmosa e pequena.

Todavia, Também existem algumas razões bem conhecidas para justificar um “barriga pequena” que podem estar associados a um bebê pequeno. Problemas de insuficiência placentária onde o feto não está recebendo comida e oxigênio adequadamente podem causar um bebê com peso abaixo da média. Fumantes, uso de álcool e / ou o abuso de drogas aumenta significativamente as chances de ter um bebê pequeno.

Algumas anormalidades genética ou alguns tipos de infecção também são causas importantes. Outras causas podem ser: ter pouco líquido amniótico, má nutrição materna, exercícios físicos exagerados, dietas alimentares muito rigorosas. Só porque o bebê tem medidas pequenas não significa que é hora de pânico. Porque sinto dores e pressão na barriga na gravidez? Seu útero cresce exponencialmente durante a gravidez. Pense em encher um balão. É basicamente o que seu útero faz durante a gravidez. E à medida que seu útero cresce, ele empurra os órgãos para fora de seus lugares habituais e coloca tensão nos músculos e ligamentos circunvizinhos.

O que quer dizer DBP no ultrassom?

O diâmetro biparietal (DBP): é o diâmetro entre os dois lados da cabeça. Isso é medido após 13 semanas. O comprimento do fêmur (FL): mede o osso mais longo do corpo e reflete o crescimento longitudinal do feto. A circunferência abdominal (CA): a medida mais importante a ser feita no final da gravidez.

O que é comprimento do fêmur do feto?

Comprimento Femoral: Medida da porção calcificada da diáfise femural ; Calibrador de medida nas junções da cartilagem com a porção calcificada.

O que quer dizer CC no ultrassom?

🔹️O que Significa ‘CC’ no Ultrassom? 👉🏼No exame de ultrassom obstétrico do segundo e terceiro trimestre, CC(circunferência cefálica) mede o redor da cabeça do bebê, podendo avaliar se há alguma assimetria ou ‘achatamento’.

O que é o percentil de um feto?

O que é o percentil fetal? Esta é uma dúvida que muitas mamães têm, um dos rituais da gravidez é estimar o tamanho e peso do bebê – todo mundo tem uma opinião. O percentil fetal é uma medida estatística utilizada para dividir uma amostra de valores, ordenados em ordem ascendente, em cem partes.

O que determina o tamanho da barriga na gravidez?

O Porte Físico da Mulher – O porte físico da gestante influencia muito no tamanho da barriga durante a gestação. O tipo de alimentação que ela leva, o peso antes da gravidez, tudo isso vai influenciar no crescimento da barriga. Até mesmo o tamanho do seu quadril pode dizer muito sobre o tamanho da barriga.

Como medir o tamanho da barriga na gravidez?

Em síntese, é medida desde a sínfise púbica (osso da púbis) até o fundo (topo) do útero. A altura uterina consiste na medida da distância da borda superior da sínfise púbica até o fundo do útero.

Como calcular altura uterina e idade gestacional?

Curso de Especialização – Linhas de Cuidado em Enfermagem V. Avaliação da altura uterina Além dos procedimentos já mencionados, você deve observar o crescimento do feto. Uma das maneiras de fazer esse acompanhamento é medir a altura uterina. A avaliação da altura uterina é realizada com fita métrica flexível. Fonte : Brasil (2006a). A medida da altura é registrada em um gráfico de acordo com a idade gestacional. Valor acima do percentil 90 é anormal. Você deve atentar para a possibilidade de erro da Idade Gestacional (IG) e avaliar a possibilidade de poliidrâmnio, macrossomia fetal, gemelaridade, mola hidatiforme, miomatose ou obesidade.

Nesses casos, você deve encaminhar a gestante ao serviço de alto risco. Valor abaixo do percentil 10 é anormal. Você deve ficar atento para a possibilidade de erro da IG e avaliar a possibilidade do oligâmnio (oligoiidrâmnio), feto morto e retardo de crescimento (CIUR). Nessas situações, você também deve encaminhar ao serviço de alto risco (BRASIL, 2006a).

Note que a suspeita de CIUR se confirma em 75% dos casos, se os métodos forem combinados, ou seja, se, além da altura uterina menor que percentil 10, tivermos baixo peso de acordo com IMC. (BRASIL, 2006a). VI. Palpação obstétrica (Manobras de Leopold Zweifel) Esta técnica visa à identificação da apresentação, posição e situação fetal.

Modos de realizar as manobras e achados, bem como as relações útero fetais, conhecimentos fundamentais para se avaliar a apresentação, situação e posição, devem ser pesquisados em Zieguel e Cranley (1985); Brasil (2006a); Rezende (2005) e treinados durante a prática nas unidades de saúde.A palpação obstétrica constitui-se de quatro tempos, confira na animação a seguir:

Confira a seguir as quatros manobras que acabamos de conhecer: Fonte: Brasil (2006a). Observe que na quarta manobra (ocupação da escava) podem ocorrer três situações:

Escava completamente ocupada pela região fetal (que é o polo cefálico); Escava incompletamente ocupada (polo pélvico); Escava está vazia (apresentação córmica).

A entrada dos dedos na bacia depende do grau da insinuação do polo apresentado. Na apresentação cefálica, quando a cabeça está alta e móvel, os dedos quase se tocam pelas extremidades e descem por igual; se insinuada, a penetração é desigual. Na apresentação pélvica, mesmo insinuada, os dedos de um lado e de outro penetram igualmente.

You might be interested: Diferença De Tamanho Dos Iphones

Quanto o bebê engorda na barriga por semana?

No período de maior crescimento fetal, os bebês ganham, em média, entre 150g e 200g de peso a cada semana. É importante ter em mente que, desde a concepção, o ritmo de crescimento depende de vários fatores.

Qual o valor normal do DBP?

Qual o perímetro cefálico normal?

O Ministério da Saúde, em consonância com as secretarias estaduais e municipais de Saúde, passa a adotar, a partir de agora, a medida de 32 cm para a triagem e identificação de bebês possíveis portadores de microcefalia. Este procedimento consta do “Protocolo de Vigilância e Resposta à Ocorrência de Microcefalia Relacionada à Infecção pelo Vírus Zika” e está de acordo com recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), que considera, como medida padrão mínima para a cabeça de recém-nascidos, 32 centímetros.

Diante do aumento inesperado e inusitado dos casos de microcefalia em recém-nascidos, atribuído ao vírus Zika, no primeiro momento, o Ministério da Saúde recomendou que fosse adotada a medida de 33 cm para o PC. A iniciativa teve como objetivo incluir um número maior de bebês na investigação, visando uma melhor compreensão da situação.

O perímetro cefálico (PC) varia conforme a idade gestacional do bebê. Assim, na maioria das crianças que nascem após nove meses de gestação, o PC de 33 cm é considerado normal para a população brasileira, podendo haver alguma variação para menos, dependendo das características étnicas e genéticas da população.

Até o dia 28 de novembro, o Ministério da Saúde havia recebido 1.248 notificações de casos suspeitos. Todos esses casos têm medida craniana igual ou inferior a 33 cm. Na primeira triagem desses casos suspeitos, muitos dos diagnósticos realizados precocemente e preventivamente já foram descartados. A nova medida visa agilizar os procedimentos clínicos, sem descuidar dos bebês que fizeram parte da primeira lista de casos notificados.

O crânio é formado por uma série de ossos. Nos recém-nascidos e nas crianças menores eles não estão “soldados”, permitindo que a caixa craniana cresça durante o desenvolvimento do bebê. A cabeça das crianças recém-nascidas tem moleiras, que são as fontanelas, e suturas, que são áreas livres para o crescimento dos ossos.

  • Quando isto não ocorre, podem surgir casos de microcefalia ou outras anomalias.
  • Por esta razão, após o parto, a cabeça das crianças é sempre medida, permitindo que o pediatra identifique, precocemente, se há algum problema.
  • O perímetro da cabeça da criança continuará sendo medido ao longo da sua infância.

A classificação de casos fica assim organizada: Casos Notificados/Suspeitos; Casos Confirmados; e Diagnóstico Descartado.

Como calcular circunferência cefálica?

Trabalhos Originais Curva de Crescimento do Diâmetro Biparietal e da Circunferência Cefálica na Gestação Gemelar Growth Curve of the Biparietal Diameter and Head Circumference in Twin Gestation Mariza Marie Fujita 1 1 Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) Departamento de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo 2 Departamento de Estatística do Instituto de Matemática e Estatistíca da Universidade de São Paulo Correspondência: Mariza Marie Fujita Rua Antônio Loureiro, 594 – Apto 31C – Vila Santa Catarina 04376-110 – São Paulo – SP, Maria Okumura 1 1 Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) Departamento de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo 2 Departamento de Estatística do Instituto de Matemática e Estatistíca da Universidade de São Paulo Correspondência: Mariza Marie Fujita Rua Antônio Loureiro, 594 – Apto 31C – Vila Santa Catarina 04376-110 – São Paulo – SP, Julio da Motta Singer 2 1 Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) Departamento de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo 2 Departamento de Estatística do Instituto de Matemática e Estatistíca da Universidade de São Paulo Correspondência: Mariza Marie Fujita Rua Antônio Loureiro, 594 – Apto 31C – Vila Santa Catarina 04376-110 – São Paulo – SP, Dalton Francisco de Andrade 2 1 Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) Departamento de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo 2 Departamento de Estatística do Instituto de Matemática e Estatistíca da Universidade de São Paulo Correspondência: Mariza Marie Fujita Rua Antônio Loureiro, 594 – Apto 31C – Vila Santa Catarina 04376-110 – São Paulo – SP, Marcelo Zugaib 1 1 Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) Departamento de Obstetrícia e Ginecologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo 2 Departamento de Estatística do Instituto de Matemática e Estatistíca da Universidade de São Paulo Correspondência: Mariza Marie Fujita Rua Antônio Loureiro, 594 – Apto 31C – Vila Santa Catarina 04376-110 – São Paulo – SP RESUMO Objetivo: determinar curvas e tabelas de crescimento do diâmetro biparietal médio e da circunferência cefálica média em relação à idade gestacional de gestações gemelares e analisar eventuais diferenças com as existentes para fetos únicos e gêmeos.

Métodos: por meio de exames ultra-sonográficos realizados a cada duas ou três semanas por um único observador em 34 pacientes com gestação gemelar sem patologias feto-maternas foi possível estabelecer curvas e tabelas do diâmetro biparietal médio e da circunferência cefálica média em relação a idade gestacional.

Os valores destes parâmetros biométricos foram comparados aos descritos pela literatura para fetos únicos e gêmeos. Resultados: foram obtidas curvas e tabelas do diâmetro biparietal e da circunferência cefálica em relação a idade gestacional, O crescimento do diâmetro biparietal e da circunferência cefálica se revelou menor no terceiro trimestre em relação aos observados por Hadlock et al.15 para gestação única.

  1. A diferença entre os valores médios foi 6 mm (diâmetro biparietal) e 2,0 cm (circunferência cefálica) na 39 a semana de gestação.
  2. Foram observadas também algumas diferenças em relação a outros estudos de gestações gemelares.
  3. Conclusão: este estudo sugeriu que as curvas e tabelas de crescimento do diâmetro biparietal médio e da circunferência cefálica média de gestações únicas não são apropriadas para avaliação de gestações gemelares da população analisada principalmente no terceiro trimestre.

PALAVRAS-CHAVE: Gemelaridade. Ultra-sonografia fetal. Crescimento fetal. Diâmetro biparietal. Introdução Há muitos estudos estabelecendo padrões de desenvolvimento normal de vários parâmetros biométricos ultra-sonográficos durante a gestação. Estes padrões são utilizados para avaliar o crescimento fetal tanto de gestações únicas quanto de gestações gemelares.

  1. Porém, há dúvidas se as curvas de crescimento normal obtidas por meio da ultra-sonografia para gestação única podem ser utilizadas para o acompanhamento de gestações múltiplas 1,2,
  2. Na literatura, verifica-se que as curvas e tabelas dos parâmetros biométricos ultra-sonográficos de gestações gemelares foram elaboradas sem o devido rigor na seleção das pacientes e sem o cuidado necessário em relação aos aspectos técnicos e na determinação da idade gestacional.

Em vista disso, este estudo se propõe a determinar curvas de crescimento do diâmetro biparietal médio e da circunferência cefálica média de gestações gemelares sem patologias feto-maternas, por meio de estudo prospectivo e longitudinal efetuado por um único observador.

Com tais cuidados, pretende-se minimizar a margem de erros técnicos e a influência de outros fatores que afetam o crescimento fetal, para que as curvas obtidas reflitam mais fielmente o crescimento intra-uterino peculiar de gestações gemelares. Este estudo tem como objetivo ainda, analisar eventuais diferenças entre as curvas obtidas na população em estudo e as curvas existentes para fetos únicos e gêmeos.

Pacientes e Métodos Foram realizados exames ultra-sonográficos em 98 pacientes com gestação gemelar no Ambulatório de Pré-natal da Clínica Obstétrica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), no período de junho de 1994 a maio de 1997, tendo sido selecionadas 34 pacientes, conforme os seguintes critérios de inclusão: (1) ausência de qualquer patologia materna intercorrente durante a gestação, (2) ausência de malformação ou óbito fetal, (3) primeira ultra-sonografia obstétrica realizada até a 24 a semana de gestação, (4) ausência de discordância de peso entre os gêmeos, sendo a mesma definida como diferença igual ou maior que 20% do peso do maior gêmeo ao nascimento e (5) gestações gemelares duplas.

  • Foram realizados exames ultra-sonográficos fetais a cada duas ou três semanas sempre por um único observador.
  • Cada medida foi efetuada pelo menos três vezes, empregando para analise a média das mesmas.
  • Não se consideraram medidas provenientes de imagens ultra-sonográficas insatisfatórias.
  • A idade gestacional (IG) foi estabelecida a partir da data do primeiro dia da última menstruação desde que se apresentasse compatível com a primeira ultra-sonografia, ou seja, estivesse dentro do intervalo de variabilidade descrito para aquela idade gestacional 3,

Quando a data do primeiro dia da última menstruação era desconhecida, a idade gestacional considerada foi a obtida pela primeira ultra-sonografia com a medida do comprimento cabeça-nádega 4 ou pela média aritmética da idade gestacional estimada pelo diâmetro biparietal (DBP) 5, circunferência cefálica (CC) 6, circunferência abdominal (CA) 7 e comprimento do fêmur (F) 8, conforme o preconizado por Hadlock et al.3,

  1. A idade gestacional foi relatada em semanas completas, como recomendado pela World Health Organization 9, ou seja, até um dia antes de que se complete a semana seguinte.
  2. Assim, 30 semanas incluem idades gestacionais de 210 até 216 dias.
  3. A primeira ultra-sonografia obstétrica foi realizada até a 24 a semana das quais 26,5% até a 12 a semana, 50% entre a 13 a e 20 a semana e 23,5% entre a 21 a e 24 a semana.

A data do primeiro dia da última menstruação foi referida por 25 pacientes e não-conhecida por 9, sendo que, nestas, a primeira ultra-sonografia foi realizada até a 12 a semana em 1 paciente, entre a 13 a e a 20 a semana em 7 pacientes e entre a 21 a e a 24 a semana em 1 paciente.

You might be interested: Tamanho Mesa Oval 6 Lugares

Os exames foram realizados em aparelho de ultra-sonografia da marca Toshiba, modelo Capasee SSA-220A, de varredura convexa eletrônica, com freqüência de emissão de 3,75 MHz, visibilização modo B e capacidade de magnificação da imagem. As técnicas para obtenção de imagem e medidas foram as descritas na literatura 10,

Para medir o diâmetro biparietal e a circunferência cefálica, examinou-se a cabeça fetal em secção axial transversa, visualizando-se a foice, o cavo do septo pelúcido, o núcleo do tálamo e o plexo coróide no átrio dos ventrículos laterais. Foram medidos o diâmetro biparietal (D1) da superfície externa da tábua craniana próxima ao transdutor à superfície interna da tábua craniana distal e o diâmetro occipitofrontal (D2) da margem externa à margem externa da tábua craniana oposta por meio de medidores eletrônicos.

A circunferência cefálica foi calculada por meio da fórmula para circunferência de uma elipse (D1 + D2) x 1,57 11, Os exames ultra-sonográficos também incluíram determinação da apresentação fetal, estimativa do volume de líquido amniótico e localização placentária, além do estudo anatômico completo dos fetos.

A idade das 34 pacientes variou entre 17 e 40 anos (média de 29 ± 6 anos) e em relação à cor, 50% eram brancas e 50% não-brancas. Quanto ao número de gestações, 8 (23,5%) eram primigestas, 11 (32,4%) secundigestas e 15 (44,1%) haviam tido três ou mais gestações.

Segundo a paridade a distribuição indicou 35,3% de nulíparas, 26,5% de primíparas e 38,2% de multíparas. A idade gestacional na ocasião do parto situou-se entre 34 e 39 semanas (média de 37 ± 1 semanas). O parto de cinco pacientes não ocorreu no HCFMUSP, impossibilitando a obtenção de alguns dados, como o índice de Apgar e o índice de Capurro.

Quanto ao tipo de gestação gemelar, 22 pares eram dizigóticos, 7 pares monozigóticos e de 5 não se obteve essa informação. O tipo de gestação, se monozigótica ou dizigótica, foi determinado pelo sexo, pelo exame anatomopatológico da placenta, pelo tipo sangüíneo e pelo fenótipo dos gêmeos após seis meses de vida.

  1. A análise do tipo de gestação gemelar quando conhecida e o exame anatomopatológico das placentas revelaram placentas dicoriônicas em 23 pares, monocoriônicas em 3 pares e não se obteve tal informação de 8 pares.
  2. Em relação ao sexo, 40 recém-nascidos eram do sexo feminino (58,8%) e 28 do masculino (41,2%), sendo a distribuição dos pares a seguinte: 44,1% feminino-feminino, 26,5% masculino-masculino e 29,4% feminino-masculino.

O peso ao nascimento variou entre 1.780 e 3.210 g (média = 2.505 ± 326 g). A diferença relativa do peso ao nascimento entre o par (feto menor em relação ao maior) foi de 0 a 18% (média = 8,4 ± 4,6 %). O índice de Apgar médio de 1 o minuto foi 8 com desvio padrão de 2, o de 5 o minuto foi 9 com desvio padrão de 1 e o de 10 o minuto foi 9 com desvio padrão de 1.

Em 58 recém-nascidos, a idade gestacional pelo método de Capurro et al.12 foi avaliada pela equipe de pediatras do Serviço de Pediatria Neonatal anexo à Maternidade do HCFMUSP. Um modelo de regressão linear foi utilizado para se relacionar a idade gestacional determinada conforme o método adotado e aquela estimada pelo método de Capurro et al.12, sugerindo que são diretamente proporcionais, com coeficiente de proporcionalidade igual a 1,00 ± 0,01.

Foram utilizados modelos de efeitos aleatórios para a análise dos dados 13, pois permitem o ajuste das curvas polinomiais sob diferentes estruturas de dependência entre as observações e permitem modelar variabilidades heterogêneas ao longo do período gestacional.

Para cada um dos parâmetros biométricos estudados, oito modelos polinomiais foram ajustados por meio do método de máxima verossimilhança restrita 13, A seleção do modelo mais adequado baseou-se nos critérios de Akaike e Schwarz e na análise dos resíduos 14, Este estudo foi aprovado previamente pela Comissão de Ética para Análise de Projetos de Pesquisa do HCFMUSP e, de acordo com as normas estabelecidas, as pacientes assinaram o termo de consentimento para participar deste trabalho.

Resultados Foram realizados 518 exames ultra-sonográficos em 68 fetos gemelares no período gestacional compreendido entre a 12 a e 39 a semana. O número de fetos, as médias e os desvios padrão das medidas dos parâmetros biométricos observados em cada idade gestacional constam da Tabela 1,

Diâmetro biparietal Foram obtidos os coeficientes e os respectivos erros padrão correspondentes ao modelo com melhor ajuste. Esse modelo pode ser escrito como: DBP médio= -1,92728 + 0,29834 IG + 0,00440 IG 2 – 0,00013 IG 3 A Tabela 2 apresenta os valores médios estimados e os respectivos intervalos de confiança (95%) do diâmetro biparietal médio para idades gestacionais entre 12 e 39 semanas.

A Figura 1 mostra o diâmetro biparietal médio estimado com respectivo intervalo de confiança (95%) entre 12 e 39 semanas de gestação do presente estudo e o de fetos únicos obtidos por Hadlock et al.15, O diâmetro biparietal médio estimado neste trabalho foi equivalente ao de Hadlock et al.15 entre a 12 a e 16 a semana e a 26 a e 32 a semana de gestação, sendo discretamente maior entre a 17 a e 25 a semana e menor após a 32 a semana, ou seja, o limite superior do intervalo de confiança dos valores do diâmetro biparietal dos gêmeos encontrou-se abaixo daqueles descritos por Hadlock et al.15 ( Figura 1 ).

  • A diferença entre os valores médios foi 6 mm na 39 a semana de gestação.
  • Os valores do diâmetro biparietal médio de fetos gêmeos relatados por Gottlicher et al.16, Grumbach et al.1 e Reece et al.2 foram comparados com os deste estudo na Figura 2,
  • Constatou-se que os valores do presente estudo foram semelhantes aos descritos por Gottlicher et al.16 entre a 17 a e 23 a semana, periodo em que os valores relatados situaram-se no intervalo de confiança deste estudo, sendo menores após esse período com diferença de 2 mm entre os valores médios na 39 a semana de gestação.

Os valores médios do diâmetro biparietal deste estudo equivaleram aos de Grumbach et al.1, Em relação aos valores descritos por Reece et al.2, o diâmetro biparietal médio deste estudo foi semelhante no período entre a 12 a e a 32 a semana, sendo menor após o mesmo, ou seja, o limite superior do intervalo de confiança esteve abaixo dos valores descritos pelos autores.

  1. A diferença entre os valores médios foi 4 mm na 39 a semana de gestação.
  2. Circunferência cefálica Foram obtidos os coeficientes e os respectivos erros-padrão correspondentes ao modelo com melhor ajuste.
  3. Esse modelo pode ser escrito como: CC média = -6,28864 + 0,97831 IG + 0,02060 IG 2 – 0,00053 IG 3 A Tabela 3 apresenta os valores médios estimados e os respectivos intervalos de confiança (95%) da circunferência cefálica para idades gestacionais entre 12 e 39 semanas.

A Figura 3 mostra a curva da circunferência cefálica média estimada e os respectivos intervalos de confiança (95%) entre 12 e 39 semanas de gestação do presente estudo e a de Hadlock et al.6 para gestações únicas. A circunferência cefálica média estimada neste trabalho foi equivalente à sugerida por Hadlock et al.6 apenas no periodo entre a 12 a e 25 a semanas de gestação, sendo menor após esse período, ou seja, o limite superior do intervalo de confiança do presente estudo esteve abaixo dos valores descritos por Hadlock et al.6,

  • Na 39 a semana, a diferença entre os valores médios foi 2,0 cm.
  • A circunferência cefálica média estimada no presente estudo foi comparada aos valores descritos para a gestação gemelar por Rodis et al.17 e Reece et al.2 ( Figura 4 ).
  • Os valores médios da circunferência cefálica obtidas nesse trabalho em relação aos de Rodis et al.17 foram maiores entre a 15 a e 18 a semana e semelhantes após esse período.

Constatou-se, ainda, que a circunferência cefálica obtida foi semelhante à de Reece et al.2 entre 27 e 33 semanas de gestação, sendo maior antes e menor após esse período, ocorrendo uma diferença entre os valores médios de 1,9 cm na 39 a semana de gestação.

Discussão Analisando-se a literatura pertinente, detecta-se erros cometidos na obtenção de algumas curvas de crescimento dos parâmetros biométricos ultra-sonográficos para gestações gemelares. As principais são a omissão de critérios de inclusão e exclusão da população analisada por alguns autores 17,18,19,20,21,22,23 ou a inclusão de gestações gemelares com patologias fetomaternas 24,25,26,27, fatos que podem comprometer o resultado dos trabalhos.

Apesar de alguns estudos serem longitudinais, em nenhum deles os exames ultra-sonográficos são realizados por um único operador como nesta pesquisa. Deter et al.28 constatam diferenças de até 8% entre observadores ao passo que Hadlock et al.7 descrevem erro de no máximo 0,7% em exames ultra-sonográficos efetuadas pelo mesmo observador, demonstrando que medidas efetuadas por uma única pessoa tendem a minimizar o erro observacional.

As curvas obtidas a partir da análise longitudinal descrevem o crescimento individual e são mais apropriadas para a construção de curvas do crescimento médio, que representam a população como um todo 8,29, Em estudos longitudinais, observações repetidas em um mesmo indivíduo podem propiciar correlações entre as medidas.

Neste caso a análise estatística por meio do modelo de efeitos aleatórios é mais adequada do que a regressão linear simples, a qual pressupõe variância constante e observações não-correlacionadas. A maioria dos estudos constata valores menores do diâmetro biparietal médio nos fetos gêmeos comparados aos únicos durante o terceiro trimestre 1,16,18,22,25,26,30,31,

Outros verificam que o diâmetro biparietal médio de gêmeos é menor durante todo o período gestacional em relação a fetos únicos 19,20,32, enquanto alguns 2,21,23,24 não encontram diferenças significativas. A determinação isolada do diâmetro biparietal médio pode não avaliar adequadamente o crescimento fetal devido à possibilidade da ocorrência de dolicocefalia.

A circunferência reflete melhor o volume cefálico e é menos dependente do formato da cabeça do que a medida do diâmetro biparietal 33, Muitos autores têm demonstrado que a circunferência cefálica é um dos parâmetros individuais mais confiáveis para a estimativa da idade gestacional 6,34,35,

Em relação aos estudos sobre a medida da circunferência cefálica em fetos de gestações gemelares, Rodis et al.17 construiram uma curva da circunferência cefálica em relação à idade gestacional. Reece et al.2 não encontram diferenças na circunferência cefálica entre gestações gemelares e únicas. Este trabalho sugeriu que as curvas do crescimento médio do diâmetro biparietal e da circunferência cefálica de Hadlock et al.6,15, bastante utilizadas na prática diária, não parecem apropriadas para a avaliação de gestação gemelar da população analisada, pois levaram à subestimação da idade gestacional principalmente no terceiro trimestre da gestação.

A presente análise não permitiu conclusões a respeito da comparação de fetos gêmeos e fetos únicos, uma vez que o estudo de Hadlock et al.6,15, além de ser transversal, compreende uma população que diverge da presente pesquisa em inúmeros aspectos (étnicos, socioculturais, econômicos etc.).

  1. No futuro, a obtenção da curva do crescimento a partir de parâmetros ultra-sonográficos de fetos únicos da população local, de modo prospectivo e longitudinal, possibilitará comparação adequada do crescimento fetal da gestação gemelar em relação à única.
  2. O fato de alguns dos valores do presente estudo serem menores do que os de outros autores pode decorrer de diferenças étnicas e prováveis desvantagens socioeconômicas da população estudada já que os trabalhos disponíveis para comparação foram realizados em países desenvolvidos.

You might be interested: Tamanho De Foto Para Whatsapp

Porém pequenas diferenças entre as curvas talvez não fossem significativas se se pudesse dispor dos intervalos de confiança das curvas médias estimadas descritas pelos autores. Foi interessante observar-se que os valores do diâmetro biparietal médio obtidos por Grumbach et al.1 em 103 gestações gemelares e da circunferência cefálica média obtidos por Rodis et al.17 em 60 gestações gemelares de população norte-americana estivessem tão próximos aos valores médios do presente estudo.

SUMMARY Purpose: to estimate growth curves and tables of average biparietal diameter and average head circumference of twin gestations and to compare them with published growth curves for singletons and twins. Methods: growth curves and tables of average biparietal diameter and average head circumference were obtained from sonographic examinations of 34 patients with twin gestations without maternal and fetal complications.

Sonographic examinations were performed each 2 or 3 weeks by a single observer. The parameters were compared with existing growth curves for singletons and twins. Results: curves and tables of biparietal diameter and head circumference in relation to gestational age were obtained.

The study revealed difference in growth pattern mainly regarding the 3 rd trimester in relation to singletons (Hadlock et al.15 ). The difference between the average values were 6 mm (biparietal diameter) and 2.0 cm (head circumference) at the 39 th week of gestation. Also, some differences were observed relative to the twin studies.

Conclusion: this study revealed that growth curves for average biparietal diameter and average head circumference of singletons are not appropriate to determine gestational age in twin gestations of the studiced population principally at the 3 rd trimester.

O que significa tamanho do fêmur na ultrassom?

1A ultrassom feita até a 13ª ou 14ª semana da gravidez auxilia aos médicos calcularem, pelo tamanho do bebê, qual é a idade gestacional.2Pelo tamanho do fêmur que é mostrado no exame ultrassom, é possível calcular o tamanho aproximado do bebê em centímetros.

Como calcular o tamanho da cabeça do feto?

O que é o perímetro cefálico? – O perímetro cefálico é um nome um pouco complicado, mas significa a medição do tamanho da cabeça do bebê, O médico faz isso com uma fita métrica mesmo, daquelas normais que todo mundo tem em casa. Basta passá-la por toda a circunferência da cabeça da criança para saber se o tamanho é o ideal para aquela determinada idade.

  • Com essa medição, é possível ter noção do desenvolvimento cerebral da criança, por exemplo, além de outras questões importantes que vão nortear o trabalho do pediatra e demais especialistas a partir dali.
  • Normalmente, as pessoas ficam preocupadas com tamanho, peso, equilíbrio das medidas corporais, mas a parte da cabeça é muito importante e faz diferença no reconhecimento da saúde do neném,

Dica: Descubra como se preparar para a amamentação e evitar problemas

Qual o tamanho de um feto de um mês?

Semanas 1 a 4 – Após a fecundação, o óvulo fecundado passa por várias divisões e se transforma em embrião, para depois se transformar em feto. Se a gestação está sendo calculada a partir do primeiro dia da última menstruação, você provavelmente engravidou entre a segunda e terceira semanas.

Durante o primeiro mês, seu bebê é realmente minúsculo e tem aproximadamente o tamanho de uma cabeça de alfinete. Você poderá notar um pequeno sangramento causado pela nidação, o implante do óvulo fecundado no útero. Durante o primeiro mês, a placenta (que trará oxigênio e nutrientes para nutrir o bebê) e a cavidade amniótica estarão se formando.

Mesmo que a gestação ainda esteja bem no comecinho, o pré-natal deve ser iniciado assim que a mulher descobrir que está grávida. O obstetra irá receitar a alimentação adequada, exames e assim por diante.

Como saber o percentil na ultrassom?

Todo mundo já fala de percentil ou curva de crescimento do bebê. Mas você sabe exatamente o que isso significa? Para te ajudar a esclarecer essa dúvida, discursos esse post com uma explicação bem completa sobre o assunto. Para começar, precisamos entender que percentil é uma medida estatística e representa cada uma das partes iguais de um conjunto.

  1. Ou seja, sendo mais clara, os percentis, permite a comparação do crescimento de um bebê, através de um gráfico ou tabela, com a média de diferentes populações (independente da origem étnica, situação socioeconômica ou tipo de alimentação), e comparar também o seu próprio crescimento.
  2. Permite também ver se há equilíbrio entre o ganho de peso e o tamanho do bebê de acordo com a idade gestacional que ele se encontra.

Há algum tempo atrás, esse padrão era feito com uma fita métrica baseada na medida do osso púbico até o fundo do útero, além a apalpação do bebê. Mas hoje em dia, com a evolução da ultrassonografia, é possível ter maior precisão desses dados, lembrando que ainda existe uma margem de erro de 10% para mais ou para menos.

Sendo assim, o peso fetal é caracterizado a partir da medida do fêmur, da cabeça e do abdome do bebê e o valor encontrado está em uma escala de 0 a 100. Por exemplo, se o bebê estiver em um percentil 30, significa que 70% dos bebês da mesma idade gestacional são maiores que ele e 30% são menores. Em linhas gerais, o bebê é considerado dentro do esperado se estiver entre os percentis 10 e 90 e diante desses dados podemos avaliar se o bebê é GIG ou PIG.

Quando o bebê está muito abaixo do tamanho e peso que é esperado que ele tenha, o chamamos de bebê PIG, e se para o caso, o obstetra deve investigar como causas da limitação de crescimento com o auxílio de recursos complementares. O mesmo acontece com os bebês GIG, que apresenta tamanho e peso maior que 90% da população.

  1. Mas esse número visto isoladamente não representa muita coisa.
  2. É importante ressaltar, que cada mãe e seu bebê são únicos e tem genéticas bem específicas, ou seja, uma mamãe com mais de 1,90m de altura provada à luz a um bebê maior do que uma mamãe de 1,50m.
  3. Por isso, muito fatores devem ser tomados depois que se descobre o percentil do bebê.

Gostou dessas informações? Que tal permanecer conosco e ler um pouco mais? Temos outros posts bem interessantes sobre assuntos que são dúvidas comuns no nosso blog.

Como é feita a medida da altura uterina?

Curso de Especialização – Linhas de Cuidado em Enfermagem V. Avaliação da altura uterina Além dos procedimentos já mencionados, você deve observar o crescimento do feto. Uma das maneiras de fazer esse acompanhamento é medir a altura uterina. A avaliação da altura uterina é realizada com fita métrica flexível. Fonte : Brasil (2006a). A medida da altura é registrada em um gráfico de acordo com a idade gestacional. Valor acima do percentil 90 é anormal. Você deve atentar para a possibilidade de erro da Idade Gestacional (IG) e avaliar a possibilidade de poliidrâmnio, macrossomia fetal, gemelaridade, mola hidatiforme, miomatose ou obesidade.

Nesses casos, você deve encaminhar a gestante ao serviço de alto risco. Valor abaixo do percentil 10 é anormal. Você deve ficar atento para a possibilidade de erro da IG e avaliar a possibilidade do oligâmnio (oligoiidrâmnio), feto morto e retardo de crescimento (CIUR). Nessas situações, você também deve encaminhar ao serviço de alto risco (BRASIL, 2006a).

Note que a suspeita de CIUR se confirma em 75% dos casos, se os métodos forem combinados, ou seja, se, além da altura uterina menor que percentil 10, tivermos baixo peso de acordo com IMC. (BRASIL, 2006a). VI. Palpação obstétrica (Manobras de Leopold Zweifel) Esta técnica visa à identificação da apresentação, posição e situação fetal.

Modos de realizar as manobras e achados, bem como as relações útero fetais, conhecimentos fundamentais para se avaliar a apresentação, situação e posição, devem ser pesquisados em Zieguel e Cranley (1985); Brasil (2006a); Rezende (2005) e treinados durante a prática nas unidades de saúde.A palpação obstétrica constitui-se de quatro tempos, confira na animação a seguir:

Confira a seguir as quatros manobras que acabamos de conhecer: Fonte: Brasil (2006a). Observe que na quarta manobra (ocupação da escava) podem ocorrer três situações:

Escava completamente ocupada pela região fetal (que é o polo cefálico); Escava incompletamente ocupada (polo pélvico); Escava está vazia (apresentação córmica).

A entrada dos dedos na bacia depende do grau da insinuação do polo apresentado. Na apresentação cefálica, quando a cabeça está alta e móvel, os dedos quase se tocam pelas extremidades e descem por igual; se insinuada, a penetração é desigual. Na apresentação pélvica, mesmo insinuada, os dedos de um lado e de outro penetram igualmente.

Como calcular a idade gestacional?

Vida Saudável | Conteúdos produzidos pelo Hospital Israelita Albert Einstein

Os cálculos podem parecer confusos, mas nosso especialista explica como se acertar ao calcular sua idade gestacional. Confira!

Por Dr. Romulo Negrini, coordenador médico materno infantil da Maternidade Einstein / CRM SP 113 055

Sem tempo para ler? Clique no play abaixo para ouvir esse conteúdo!

​Descobrir a Idade Gestacional pode ser muito confuso, principalmente para os pais de primeira viagem. Semanas ou meses, qual devemos levar em conta? Para deixar tudo mais simples, conversamos com o especialista, Dr. Romulo Negrini. Confira abaixo a entrevista com o médico da Maternidade Einstein.

Confira as principais dúvidas

Porque calculamos o tempo de gravidez em semanas e não em meses?

A resposta a esta questão é bem simples. Os meses apresentam quantidades de dias variáveis, meses como fevereiro tem menos dias, julho e agosto têm 31 dias. Mas em semanas não há esta variação. Desta forma, o cálculo fica mais preciso para a gestante, família e para os profissionais de saúde.

Como deve ser feito o cálculo para descobrir a Idade Gestacional?

Em geral o cálculo da idade gestacional é baseado na data da última menstruação, conhecida como DUM. Neste caso, é muito simples. Verifica-se a quantidade de dias que se passaram da DUM até o dia do cálculo e divide-se por 7. O valor inteiro, resultado da divisão, é o número de semanas da gravidez e o resto da divisão é o número de dias passados na última semana.

Exemplo: vamos supor que, no dia 05 de fevereiro, queira-se saber qual a idade gestacional de uma gravidez em que a gestante menstruou pela última vez em 12 de novembro do ano anterior. De 12/11 a 05/02 passaram-se 85 dias. A divisão de 85 por 7 resulta em 14 com resto de 1, então esta gravidez terá 14 semanas e 1 dia em 05 de fevereiro.

Lembre-se que a gravidez é contada sempre em semanas de atraso menstrual, mas a concepção de fato ocorre duas semanas após a menstruação. Assim, quando dizemos que uma gravidez tem 38 semanas, passaram-se 38 semanas da última menstruação e o embrião foi gerado há 36 semanas!

Caso a gestante não saiba a DUM, existe alguma outra forma?

Sim, caso a mulher não saiba a data da última menstruação ou tenha ciclos irregulares, calcula-se o tempo de gravidez pela ultrassonografia (USG). A forma de conta é a mesma, soma-se a quantidade de dias que se passaram da data da ultrassonografia até hoje (dia em que se quer a idade gestacional) e divide-se por 7.

O valor inteiro do resultado da divisão é o número de semanas da gravidez e o resto da divisão, o número de dias passados da data do ultrassom. Depois só somar o tempo de gravidez que foi detectado na ultrassonografia.

Exemplo: Em 12 de novembro uma grávida realizou uma USG que mostrou um embrião de 8 semanas e 2 dias e quer saber qual a idade gestacional em que está no dia 05 de fevereiro. De 12/11 a 05/02 passaram-se 85 dias. A divisão de 85 por 7 resulta em 14 com resto de 1, então da data da USG passaram-se 14 semana e 1 dias, que devem ser somadas as 8 semanas e 1 dia que já havia no dia do ultrassom. Assim, a gravidez em 05/02 será de 22 semanas e 2 dias.

Existem exames para descobrir a Idade Gestacional?

O único exame confiável para a descoberta da idade gestacional é a ultrassonografia, e o ideal é realizá-lo entre 8 e 12 semanas para uma maior precisão.

Como o tempo de gravidez é dado pelo tamanho do feto, com o seu crescimento ele vai adquirindo características pessoais: uns ficam maiores, outros menores, o que aumenta o erro da idade gestacional.

O erro de uma ultrassonografia em dar o tempo de gravidez, se feita entre 8 e 12 semanas, é de apenas 5 dias, e aumenta com o passar da gravidez para até 3 semanas no final.

É possível saber a Data Provável do Parto? Como é feito esse cálculo?

A data provável do parto (DPP) ocorre com 40 semanas e 1 dia. Para que se possa calculá-la, utiliza-se a regra de Naegele. Essa regra é uma forma padronizada de calcular a DPP de uma gestante.

Nela, soma-se 7 ao dia correspondente ao da data da última menstruação e retira-se 3 do mês correspondente à data da última menstruação. Por exemplo: se a DUM for 12/11, a data provável do parto será no dia 12+7 e mês 11-3, ou seja, dia 19/08. Se a soma do dia com o 7 ultrapassar 31, parte-se para o mês seguinte, e retira-se então 2 do mês da DUM.

Exemplo: DUM de 30/10 a data provável do parto será 06/08, isso porque 30+7 seria 37, mas esse dia não existe e o ultimo é 31, assim avançamos 6 dias no mês seguinte e retira-se 2 do 10. Sendo o resultado final 06/08.

Parece complicado, mas agora que explicamos tudo pode ser bem simples. Gostou de saber mais sobre esse assunto e quer saber mais sobre a Maternidade Einstein? Então clique aqui agora mesmo e confira!

Categorias FAQ

Deixe um comentário